3 motivos pra você não tentar agradar o seu cliente com música ambiente

Em vez de ler, que tal ouvir o artigo?  Experimente no player abaixo:

É o que todo empresário quer ao receber seu cliente em seu estabelecimento: agradá-lo. E claramente existem diversas formas de fazer isso.

Algumas mais óbvias, outras não tanto (esse texto vai falar sobre o lado não tão óbvio assim). Porém, é unânime: sem cliente satisfeito, nenhuma empresa sobrevive. No entanto, há um elemento importantíssimo nessa experiência e praticamente todo empresário usa: música ambiente. Afinal, quem não gosta de ouvir música?

Mas o que esse elemento sensorial tem de importante e crucial nessa experiencia, ele tem de perigoso. Justamente por todo mundo gostar de música é que a situação termina ficando um pouco delicada. Cada um tem um gosto musical diferente, uns mais ecléticos e gostam de tudo um pouco, enquanto outros são mais seletos e restritos quando o assunto é estilo musical. E, sem medo de errar, isso não tem nada a ver com gênero, classe social ou faixa etária. É fácil encontrar amantes ou haters de qualquer estilo musical independente de sermos homem ou mulher, gordo ou magro, feio ou bonito, rico ou pobre.

Então, sabendo disso, vamos aprender a premissa número um sobre o Marketing Sensorial Sonoro: música ambiente não deve ser usada para agradar cliente. E são 3 razões pelo qual essa premissa é verdadeira.

 

01: Você vai perder alguns clientes para sempre

Qual a probabilidade de você agradar 100% dos seus clientes com música ambiente no seu estabelecimento? Nenhuma. Não há a menor possibilidade disso acontecer. E quando você tenta fazer isso através da justificativa que pretende agradar a grande maioria, significa que você está desagradando agradando alguma minoria. Mas é impossível agradar todo mundo, então tudo bem desagradar uma minoria, certo? Errado! Essa minoria pertence ao seu público alvo. E você sabe a probabilidade desse cliente voltar ao seu estabelecimento? Praticamente zero. Você acaba de perder um cliente potencial pra sempre. E qual o preço que você, empresário, paga por perder um cliente pra sempre? Se você chegou até aqui, tenho certeza que você sabe essa resposta. Esse talvez seja um dos seus maiores medos no seu negócio. A velocidade e a “eficácia” de um comentário negativo por parte de um cliente insatisfeito para seus amigos e familiares não está nos gibis.

 

02: Você vai reduzir seu potencial de vendas

Se você tenta agradar a maioria, você tende a fazer isso com as músicas da moda, os hits do momento, os grandes sucessos que as pessoas chegam a cantarolar junto com a música. Você fica feliz e pensa: “A playlist da minha loja é top! Meus clientes estão adorando!”. Você pode até estar agradando diretamente a maioria dos seus clientes com a sua playlist, mas inevitavelmente você tira um pouco o foco do cliente no ato do consumo. Você está levando um elemento que funciona melhor no inconsciente para a camada consciente do cérebro. Isso é um erro grave. Esses hits de sucesso trazem uma série de memórias ao seu cliente: a balada do fim de semana passado, o casalzinho da novela que toda vez que eles se beijam toca essa música, ou até mesmo do ex-relacionamento, pois essa era a música do casal. Vários estudos à nível de neurociência mostram que a falta de foco involuntária pode reduzir a propensão ao consumo.

 

03: Você vai reduzir seu recall de marca

O terceiro e último motivo está diretamente relacionado ao segundo, pois enquanto os hits trazem essas diversas lembranças ao seu cliente, sejam boas ou ruins (espero que pelo menos sejam boas), elas eliminam qualquer possibilidade de você gerar uma associação direta daquela atmosfera musical com a sua marca. Ele não vai passar meia hora na sua loja escutando essas músicas e lembrar da sua marca. Esqueça. Tem várias lembranças na fila antes de você. Isso significa que seu recall de marca será insignificante. Se você não tem recall, você fideliza menos e sua taxa de retorno é reduzida drasticamente. Naturalmente seu negócio fica menos sustentável à longo prazo.

A partir do momento que você traz uma identidade sonora mais autêntica, condizente com sua marca, em perfeita harmonia com toda a experiência proporcionada – desde a identidade visual até seu produto e como seu cliente vai consumi-lo -, envolvendo mais músicas “lado B”, menos populares e que não necessariamente tocam nas rádios, nas novelas e nas baladas, você conseguiria provavelmente aumentar suas vendas e fidelizar mais o seu cliente. Você agrada seu cliente, mas de forma indireta, ou seja, numa camada mais inconsciente do cérebro. É muito mais inteligente e esse mindset, acredite, vai fazer toda a diferença para você e seu negócio.