Por que alguns clientes saem do seu estabelecimento em tão pouco tempo?

Em vez de ler, que tal ouvir o artigo? Experimente no player abaixo:

Escolher estilos musicais que harmonizam com a identidade visual e com o público do estabelecimento é algo extremamente importante. É muito comum as empresas buscarem estabelecer essa identidade e harmonia entre música, público e marca. Mas será que isso é mesmo suficiente? Não só não é suficiente como pode atrapalhar a experiência de consumo do cliente.

O corpo humano reage de forma diferente a estímulos e vibrações ao longo do dia. Logo, é necessário identificar a necessidade de estudar também a biologia do corpo humano. O objetivo é entender seu nível de vibração durante o dia, baseado na rotina do cliente de uma forma genérica, bem como na natureza do produto/serviço ofertado, para encaixar a música correta e conseguir atingir os objetivos definidos para cada marca nos horários de cada um desses objetivos.

Nosso corpo libera hormônios naturais ao decorrer do dia, fazendo com que nós tenhamos mais energia em determinados horários. Portanto, o nível de vibração de nossas células é variável, fazendo nosso corpo responder à estímulos sensoriais de maneira distinta. Por isso, tais estímulos devem ter características diferentes ao longo das 24h para harmonizar com o corpo. A música precisa, sem a menor sombra de dúvidas, acompanhar isso. Caso contrário, o cliente facilmente dá meia-volta e vai embora ou simplesmente não volta mais e não vai saber porquê.

A nível de exemplo, o Cortisol é um dos hormônios que naturalmente vai influenciar no nível de vibração corporal. Em determinados horários, ele torna o corpo humano mais vulnerável a estímulos sensoriais. Apesar dele ser liberado de forma variável ao longo do dia devido a fatores externos, há liberações naturais e mais intensas em horários específicos. E é exatamente aí que precisamos ter cuidado na escolha das músicas, porque a escolha errada, por mais que você ache que está agradando, pode estar indo no sentido contrário a seus objetivos.

Além disso, esse hormônio, por exemplo, está associado a serotonina, que é um neurotransmissor cerebral regulando humor, prazer, ritmo cardíaco, etc. A música, logo, tem um grande papel, pois é um dos grandes responsáveis por produzir os estímulos para o cérebro. A partir da harmonização de todos esses fatores, fica bem mais fácil potencializar o atingimento dos objetivos da marca.

A depender da natureza de cada produto/serviço e dos objetivos que a marca tem para com os seus clientes em dado horário do dia, das duas uma: ou harmoniza-se a vibração entre música e corpo humano ou induz uma vibração diferente visando um objetivo específico. Entramos, então, numa zona de perigo, pois as músicas erradas estão disfarçadas e podem o distanciar de atingir algum objetivo.

Apesar de uma marca de roupas femininas de luxo, uma clínica particular de um cirurgião plástico ou um salão premium de design de sobrancelhas terem perfis semelhantes de públicos, seria necessário estímulos sensoriais e programações musicais completamente diferentes, principalmente para horários diferentes do dia e da semana. Cada negócio precisa ser analisado de forma única e exclusiva.